Alaska – As últimas lembranças

Abaixo segue algumas imagens que fiz no Alaska, um lugar incrível!

IMG_3668

Exit Glacier, Kenai Fjords National Park. Seward. Alaska

IMG_3669

Exit Grlacier hike, Kinai Fjords National Park. Seward. Alaska

IMG_3691

Kenai Fjords National Park. Seward. Alaska.

IMG_3694

Exit Glacier, Kenai Fjords National Park. Seward. Alaska.

IMG_3707

Exit Glacier hike, Kenai Fjords National Park. Seward. Alaska.

IMG_3709

Kenai Fjords National Park. Seward. Alaska

IMG_3596

Seward. Alaska.

IMG_3603

Feriado de 4 de julho. Seward. Alaska

IMG_3627

Seward. Alaska.

IMG_3633

Seward. Alaska.

IMG_3638

Ovas de salmão. Seward. Alaska.

IMG_3581

Hope. Alaska.

IMG_3332

Monte Mc Kinley – 6.190 m – Denali National Park. Alaska.

IMG_3481

Monte Mc Kinley. Denali National Park. Alaska.

IMG_3506

Monte Mc Kinley. Denali National Park. Alaska.

IMG_3507

Denali National Park. Alaska.

IMG_3523

Marcos Bueno ( Bike Sutras) e eu. Encontro inusitado em Wonder Lake. Denali National Park. Alaska.

IMG_3260

Denali NAtional Park. Alaska.

IMG_3393

George Parks Hwy. Alaska.

IMG_3297

Estacionamento para Motorhome.

IMG_3275

Acampamento no Denali National Park. Alaska.

IMG_3212

Pôr do sol no Monte Mc Kinley. Denali National Park. Alaska.

IMG_3228

Acampando no Denali National PArk. Alaska.

IMG_3232

Denali National Park. Alaska.

IMG_3238

Denali NAtional Park. Alaska.

IMG_3253

Denali National Park. Alaska.

IMG_3268

Denali National. Park. Alaska.

IMG_3270

Denali National Park. Denali.

IMG_3204

Ptamigam – Ave Alaska.

IMG_3436

Alce. Alaska.

IMG_3330

Esquilo. Alaska.

IMG_3197

Renas. Alska.

IMG_3203

Lobo. Alaska.

IMG_3224

Urso marrom e sua cria. Alaska.

IMG_3146

Cozinhando a uma distância segura da barraca. Precaução contra ursos. Alaska.

IMG_3151

Frio e pernilongos. Cozinhando no Alaska.

IMG_3133

Geroges Park Hwy. Alaska.

IMG_3090

Alaska.

IMG_3167

Alaska.

IMG_3363

Homer. Alaska.

IMG_3776

Alaska.

IMG_3378

Alaska

IMG_3780

Big Lake, Alaska.

IMG_3380

Alaska.

IMG_3382

Alaska.

IMG_3389

Alaska.

IMG_3393

Alaska.

IMG_3901

Alaska.

IMG_4021

Última noite no Alaska.

 

Denali National Park – Alaska

O Denali National Park está completando 100 anos  de um importante trabalho de preservação da fauna e da flora local. O parque é uma das maiores atrações do Alaska. São mais de 15.000 km² (maior que Alemanha, Holanda e Bélgica juntos), tendo como principal cartão postal o Monte Mc. Kindley, a montanha mais alta da América do Norte com 6.190 m de altitude. O Denali é um lugar único, onde é possível conviver com animais como ursos, lobos, renas, alces e outros em seu habitat natural, depois de um treinamento comandado pelos Ranger´s (Guardas do Parque).

Lagos cercados por montanhas cobertas de gelos, rios e corredeiras de degelo cortando vales de diferentes tons de verdes e muita vida animal fazem do Denali National Park um dos lugares mais lindos que já visitei no mundo. Vale a pena conferir!

 

Bye bye Mauritânia! Bye bye Saara! E que venham novos desafios!

Meso não me sentindo 100 % depois de alguns dias de repouso, as dores regrediram, e resolvi enfrentar a estrada novamente. Estava inseguro e me sentindo pressionado pela minha própria vontade de seguir em frente, e por Jordi, que já demonstrava inquietude e impaciência por tanto me esperar. Coitado! Quero ressaltar que meu amigo fez de tudo para me deixar confortável, demonstrando solidariedade em todos os momentos que precisei. Até massagem ele me fez! Valeu amigão! Esse momento está sendo muito mais confortável com sua ajuda! Muito obrigado! Continuo contando com você, Jordi! Aliás, quero agradecer também a todos que me mandaram mensagens e ligaram para me dar uma força! Se os recados já são legais quando estou na boa, eles se tornam ainda mais importante quando estou na pior! Obrigado galera!

Entre Nouakchott e Saint-Louis / Senegal (o próximo ponto de apoio caso eu necessitasse), teria que pedalar cerca de 275 km, sendo 50 deles em estrada sem asfalto. Trepidação, areão e pelo menos  3 noites dormindo em barraca. Tudo isso me colocava em check! Mas depois de adiar nossa partida por duas vezes, fiz um teste e senti que poderia ao menos pedalar com uma das mãos. Decidi correr o risco, contrariando as recomendações!

Com o vento sempre ajudando e relevo gentil, pude realmente poupar o lado comprometido, pedalando apenas com a mão direita no guidão na maior parte do tempo. Diferentemente da parte norte do país, o Saara ao sul da Mauritânia é mais povoado, com muitas vilas e mais pontos de apoio. Embora precários, os pequenos comércios foram suficientes para nos abastecer com água, e nos colocar em contato direto com o curioso e amistoso povo local. A vegetação é outra diferença marcante! Árvores e arbustos são abundantes, marcando a zona de transição desértica, e assim, conseguimos sempre uma boa sombra para descansar no meio do dia.

IMG_2504

Pequenas vilas no Saara. Mauritânia.

IMG_2527

Pequenas vilas no Saara. Mauritânia.

IMG_2513

Jordi recebendo o carinho do povo local. Mauritânia.

IMG_2506

Simpáticos Mauritanos

IMG_2533

Ahhh minha rede!!! Saara. Mauritânia.

Quando nos aproximamos do Rio Senegal, também conhecido por Rio do Ouro, que separa a Mauritânia e o país de mesmo nome, como em um passe de mágica, o cerrado se transformou em zona pantaneira. Nesta região do delta, junto a foz, fica o Parque Nacional Diawling, um santuário ecológico que abriga  mais de 200 espécies de aves como pelicanos, flamingos, cegonhas negras e também crocodilos, javalis e diversas espécies de peixes. Também tem muito gado pantaneiro e camelos, que certamente foram introduzidos nesta região pela população ribeirinha, devido a abundante oferta de alimentos. Existe bastante semelhança entre o parque e a região do Pantanal, inclusive com os enxames de pernilongos perto do nascer e pôr do sol. Barbaridade! Vale lembrar que a malária corre solta neste região. Fato que exige cuidado!

IMG_2525

Típica vegetação do deserto. Mauritânia.

IMG_2545

Descanso em Keur Macéne, cidade entre o deserto e o alagado. Mauritânia.

IMG_2546

Keur Macene. Mauritânnia.

IMG_2550

Ribeirinho. Parque Nacional Diawling. Mauritânia.

IMG_2554

Javali. Parque Nacional  Diawling. Mauritânia.

IMG_2557

Parque Nacional Diawling. Mauritânia.

IMG_2987

Parque Nacional Diawling. Mauritânia.

IMG_2999

Parque Nacional Diawling. Mauritânia.

IMG_3012

Parque Nacional Diawling. Mauritânia.

Se por um lado o ecossistema do parque nos distraiu depois de um longo período de seca, por outro, a estrada de chão foi arruinando minha lesão. Já tomei a decisão de parar e descansar assim que tiver oportunidade. Mas não sou apenas eu que estou sofrendo! Alguns dos meus equipamentos também padecem com a ação do tempo! Já se foram 3 anos e 4 meses de estrada meu! E muita coisa já possuía desde antes da viagem! Os equipamentos vão quebrando ou se danificando pelo simples fato de envelhecer! Muito uso! Desgaste natural! Tudo tem validade! A válvula do meu colchonete quebrou de tanto abrir e fechar! Diversos feixes dos alforjes já eram! Os alforjes estão “comendo” o alumínio na zona de contato com os racks. O fixador da bomba no quadro da bike já era! Barraca com problemas como relatei outro dia. Os pneus já muito perto da vida útil! Câmaras de ar ressecadas, muito tempo guardadas sem usar. Uma das conexões da mangueira dos freios ressecou e o óleo vazou. Estou com apenas um funcionando! Preço de viajar com sistema hidráulico! Eu sei! Mas já tinha a bike antes de viajar… e outra… saí de casa para ficar apenas 6 meses na estrada, lembra?  Pois é! Meus equipamentos vão minguando com o tempo e os riscos devem ser avaliados e levados em consideração para o planejamento da minha próxima etapa, que será definida muito em breve!

Infelizmente não consegui a qualidade desejada com relação a gastronomia na Mauritânia. Os pratos típicos são mais ou menos iguais ao Marrocos, como é o caso do cuscuz e tajine. O arroz acompanhado de frango, ou guizado de carne de ovelha ou de camelo também são muito apreciados. O suco da fruta do cactos é bem interessante e o chá com hortelã é a bebida nacional, servida depois de qualquer refeição ou simplesmente fazendo o papel do nosso cafezinho no meio da tarde.

A expectativa agora se volta para a minha recuperação completa, fato complicado que exige paciência, pois estou trabalhando com hipóteses, já que ainda não tenho um diagnóstico fechado; para Senegal, o 47° país visitado pelo Projeto da China para Casa by Bike; e pela aproximação de uma importante meta pessoal, que me orgulha, me fortalece, me motiva a seguir em frente ou me deixa pronto para voltar para casa! Aguardem novidades!

 

 

 

 

 

 

 

Nouakchott – Capital da Mauritânia

Devido a uma forte contratura muscular na região cervical que se estendeu até o ombro, acabei ficando uma semana em Nouakchott. Fui ao hospital, tomei algumas injeções, e comprei uma batelada de remédios. Com fortes dores, não tive ânimo para passear como normalmente faço ao visitar uma cidade pela primeira vez. Fiquei a maioria dos dias dentro do quarto do hotel, descansando, fazendo alongamento e desafiando minhas limitações tecnológicas. Finalmente, baixei o Movie Maker no computador e resolvi, depois de muito relutar, a aprender editar vídeos. Desci dos tamancos da excelência, vesti as sandálias da humildade, e resolvi publicar abaixo, meu primeiro vídeo editado, com imagens que fiz  durante uma tarde e quando estava deixando a cidade.

Me atrapalhei bastante nos comandos, teve coisas que não consegui deixar como eu queria, e para ser sincero, me parece que quando subi o vídeo no youtube, o japonesinho que mora dentro do meu computador, mudou algumas configurações. kkkk

Mas agora é tarde demais!!! A internet aqui é muito lenta! Este vídeo levou 6 horas baixando… e não vai rolar baixar de novo! Peço desculpas aos mais exigentes e prometo melhorar nos próximos.  Afinal, a prática é que leva a perfeição! É ou não é! Faça como eu, seja tolerante e confira como Nouakchott é fervilhante, colorida, caótica! Surpreenda-se!