Él CicloArtista – Meu novo irmão de estrada!

Temporada México – Episódio # 23

Em Tuxla Gutierrez conheci Gabriel Simes, nascido em Córdoba, norte da Argentina. Na estrada desde 2015, Gabriel ganha a vida fazendo malabares em praças, festas e semáforos. Entramos no México com apenas um dia de diferença e vamos juntos até a fronteira da Guatemala para renovar nossa permanência em terras mexicanas. 

Irreverente, bem humorado e muito “buena onda” (como se diz por aqui), Él CicloArtista tem o sonho de conhecer Cuba e Europa, e baseia seus projeto sobre os pilares da reciclagem, consciência ecológica e arte.

Enquanto seguimos nossos caminhos, vamos desfrutando juntos as lagoas, represas, rios, cachoeiras e a maravilhosa natureza do estado de Chiapas.

Para saber mais sobre seus projetos, curta a página no facebook: Pedalin, él cicloartista. 

Para seguir mais de perto minha volta ao mundo de bicicleta, inscreva-se no canal. Toda quinta-feira um episódio novo.

Paso de Cortes – A estrada mais alta do México

Temporada México – Episódio #16

Entre Cidade de México e Puebla fica o Paso de Cortes, a estrada mais alta do México com 3.670m de altitude. Carlos, um amigo que fiz através do site de hospedagem para ciclista (warmshower.com), me acompanhou neste trecho. 

Enquanto escalávamos a montanha, Carlos contou algumas histórias lendárias sobre os vulcões da região e nos apresentou o Tamales, comida típica do café da manhã mexicano.

Veja também os efeitos da altitude sobre o freio hidráulico. Um cuidado a ser levado em consideração na hora de descer.

Para acompanhar minha volta ao mundo de bicicleta, se inscreva no canal do youtube e curta minha nova página do Facebook: @aureliomagalhaesbybike

Projeto Da China para Casa by Bike, compartilhando a viagem enquanto ela ainda acontece!

Confira tudo o que levo nos alforjes, e no coração – Volta ao Mundo de Bike EUA

Aqui mostro meu equipamento nesses 4 anos de viagem. Enfrentando temperaturas abaixo de zero, até desertos com mais de 50° C. Meu guarda-roupa precisa ser eficiente, ocupando o menor volume possível. A cada 10°C o vestuário muda! Camping, higiene pessoal, ferramentas, cozinha, água, comida, computador, máquinas fotográficas. Um volume que requer organização dentro dos alforjes, e um sobrepeso importante que minha força é que carrega. Na verdade, para decidir o que levar, faço um balanço entre segurança, conforto e esforço. Acho que achei um bom equilíbrio.