AS SURPRESAS DO CAMINHO – CICLOTURISMO TAIWAN – DA CHINA PARA CASA BY BIKE -VOLTA AO MUNDO BICICLETA

TEMPORADA TAIWAN

EPISÓDIO #3

AS SURPRESAS DO CAMINHO – CICLOTURISMO TAIWAN – DA CHINA PARA CASA BY BIKE -VOLTA AO MUNDO BICICLETA

Um dos grandes baratos em viajar de bicicleta, é passar por lugares fora do roteiro turístico, conhecer pessoas comuns, e os hábitos que fazem parte do seu dia a dia.

Taiwan herdou uma forte influência cultural dos chineses que pode ser notada desde o idioma mandarim, passando pela arquitetura, religião e é claro, a gastronomia.

Dongshan, é uma pequena e tranquila cidade na parte central do país com aproximadamente 25 mil habitantes, que possui forte influência rural, onde é possível encontrar pequenos produtores vendendo frutas, legumes, ovos, carnes, verduras e vários tipos de iguarias nas barraquinhas espalhadas na avenida principal. Sem falar no pato, do qual a cidade se orgulha de ser grande produtora. Muita gente do país vem comer o pato de Dongshan.

Na cidade, fiquei mais uma vez com os bombeiros que me trataram muito bem. De cara, fiz amizade com River, o único por ali que falava inglês e o mais empolgado com a minha maneira de viajar. Enquanto tomava banho, ele navegou pelo meu blog e ficou ainda mais entusiasmado ao saber sobre a pegada gastronômica do meu projeto, já que cozinhar também é seu hobby. A identificação foi rápida, e ele me convidou para ficar mais uma noite na cidade para ir ao casamento de uma prima e conhecer o mercado noturno. E é claro que aceitei.

O casamento foi um cerimonial simples, bem parecido com os casamentos no Brasil, com a noiva entrando sobre um tapete estendido, mesas arrumadas, e muita comida e bebida. Nada fora do comum…

O mercado noturno é uma ótima opção para conhecer a típica e diversa gastronomia do país e também se divertir tal qual os locais. River me fez provar duas iguarias marcantes. O “Stink Tofu” , que traduzido do inglês significa “Tofu Fedido”, com um puta cheiro de merda detestável, e a maravilhosa cabeça de pato, do qual seu bico, coisa que nunca imaginei, é sensacional! A carne da cabeça derrete na boca e possui um toque doce delicado, deixando um rastro picante no paladar que só aparece no final e que perdura por um tempo. E o surpreendente bico, com as mesmas características da carne, mas com a crocância de batata frita tipo “pringles”… Rapaz… uma delícia!!!

Segui meu caminho rumo norte sofrendo com os fortes ventos que sopravam direto na minha testa a uma velocidade média de 11m\s.

Cheguei bem cansado em Taichung para passar alguns dias na casa de Jean. Jean é uma simpática taiwanesa que me deixou super a vontade em sua casa. Ela também adora bicicleta e rolou uma amizade gostosa. Cozinhamos, passeamos pela cidade, e fomos visitar seus restaurantes favoritos. Todos muito simples, mas deliciosos.

Também fomos ao Rainbow Village, que é uma antiga vila de ex-militares que lutaram ao lado do ditador Chiang Kai-shek em 1946 na luta contra a o exército chinês. A vila foi convertida em arte de rua por um ex-soldado para salvar o assentamento da demolição, onde vários veteranos e seus familiares passaram grande parte de suas vidas. Hoje, restam apenas 11 casas graças aos estudantes universitários, que conseguiram junto as autoridades, divulgar o projeto que atrai milhares de visitantes todos os anos.

A minha visita em Taiwan já está no final, mas o próximo destino também promete! Nos vemos na Mongólia!

A viagem ao redor do globo continua!

Para adquirir um exemplar do livro NORUEGA BY BIKE, mande um e-mail para: atmagalhaesbybike@gmail.com , com o título: LIVRO NORUEGA BY BIKE, com seu nome, endereço de entrega e comprovante de depósito. Dados bancários: Aurélio Tanuri Magalhães CPF: 151.956.888.69 Banco Itaú Agência: 8482 Conta Corrente: 05369 4

A jornada ao redor do globo continua. DA CHINA PARA CASA BY BIKE, compartilhando a viagem enquanto ela acontece! Toda quinta-feira um novo episódio com dicas, curiosidades e o dia a dia de uma VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA.

Se inscreva no canal! Curta, compartilhe, comente! Seu envolvimento ajuda a me manter motivado!

Para APOIAR o projeto e me dar aquela forcinha, conheça minha campanha de FINANCIAMENTO COLETIVO,: https://apoia.se/dachinaparacasabybike , as recompensas começam a partir de R$ 8 por mês.

Obrigado por me seguir!

Facebook: @aureliomagalhaesbybike

Instagram: @aureliotanurimagalhaes

Blog: http://www.atmagalhaes.wordpress.com

Já comeu cabeça de pato? Acredita que o bico é a melhor parte?

 

Um dos grandes baratos de viajar de bicicleta é passar por lugares fora do roteiro turístico, conhecer pessoas comuns, e as coisas que fazem parte do seu dia a dia. A gastronomia de Dongshan- Taiwan é muito simples, mas me revelou uma grande surpresa, cabeça de pato. Você já provou?

Já era fim de tarde quando cheguei em Dongshan District, pequena cidade de 23.000 habitantes na parte central de Taiwan. Uma feira ao longo da estrada que corta a cidade, que naquele trecho parece uma avenida, já sinalizava a forte influência rural. Pequenos produtores vendendo frutas, verduras, legumes, ovos, carne e muitos tipos de iguarias. As barraquinhas tomando boa parte da estrada, ou avenida, e as pessoas circulando, faziam os carros diminuir a velocidade, em um clima tranquilo, com um ventinho gostoso e muita sombra, já que o sol já se aproximava da linha do horizonte.

Feira de rua em Dongshan - Taiwan.

Feira de rua em Dongshan – Taiwan.

Antes de ir ao corpo de bombeiros para pedir alojamento, comi um milho verde e um delicioso melão. Experimentei também uma espécie de panqueca com sorvete, coentro, e paçoca ralada que é uma delícia. Minha bike encostada em uma mureta chamava atenção de todos que passavam, enquanto eu, sentado em uma deliciosa sombra, curtia o movimento e me deliciava com as guloseimas. Tinha muita coisa diferente, e quase todas as barraquinhas tinha fila de pessoas aguardando a vez para se deliciar.

Vendedora na feira de rua em Dongshan - Taiwan

Vendedora na feira de rua em Dongshan – Taiwan

No corpo de bombeiros fui muito bem recebido por todos. Ganhei um quarto só para mim, com ventilador e banheiro. River, era o único que falava inglês e o mais empolgado com a minha maneira de viajar. Enquanto tomava banho, ele navegou pelo meu blog e ficou ainda mais entusiasmado ao saber sobre a pegada gastronômica do meu projeto. Me contou que também gostava de cozinhar e que a cidade é grande produtora de patos e que muita gente de outras cidades vem comer o pato de Dongshan. Ele contou que as partes nobres do animal são vendidas enquanto que os produtores ficavam com as partes menos, digamos, atrativas, como miúdos, pés e cabeças. Aquela mesma relação de escravos e feijoada, manja?

Eu e River no corpo de bombeiros em Dongshan - Taiwan.

Eu e River no corpo de bombeiros em Dongshan – Taiwan.

Pois é!? Acabaram inventando uma maneira única de se preparar essas partes do pato e a cidade ficou famosa por isso. E é claro que aceitei o convite para experimentar.

Meia hora depois, dentro de um saquinho plástico, chegaram meia dúzia de cabeças de pato, alguns pés e algumas moelas.

Comecei pela moela. Me parecia mais familiar e eu adoro! Realmente uma delícia! Textura que conhecemos e um toque doce delicado, deixando um rastro picante que só aparece no final e permanece na boca. Muito bom mesmo!

Aí me pediram para deixar a cabeça para o final e me deram um pé!

Rapaz, eu gosto de pé, mas com a cabeça ali me chamando, não fiz muita questão de ir fundo e depois de duas bocadinhas dispensei e fui para a cabeça, que me parecia muito mais apetitosa! Só para relatar, o pé de pato é pior que o de galinha, a pouca pele e as membranas entre os dedos são mais rígidas.

Peguei a cabeça pelo bico sequinho (pensei: não vou sujar os dedos)… e comecei a destrinchar a parte oposta. Uma carne macia e deliciosa, derretendo na boca com as mesma característica doce e apimentada da moela… rapaz… que delícia! As partes iam se desfazendo na minha boca! Até o miolo (cérebro) eu comi com a boca cheia! Os ossos do pequeno crânio se destacavam com facilidade até que restou apenas o bico em minha mão… No instante que dispensei o bico no lixo já com o olho na outra cabeça, um sonoro NÃO, gritado por todos me assustou… O que foi que eu fiz? Não o quê? Vocês falaram que eu poderia comer todas!!!

_ O bico é a melhor parte!!!

Como assim?? É seco, duro, não tem carne!

Eu não poderia acreditar que o bico era comestível! Nunca passou pela minha cabeça comer o bico “duro” de um pato cheio de penas ( tentando achar uma justificativa) kkk! Pensei… o pé ainda vai… mas o bico!? Quem comeria?

Cabeça, pé e moela de pato em Dongshan - Taiwan

Cabeça, pé e moela de pato em Dongshan – Taiwan

Desconfiado, peguei a outra cabeça e mudei a estratégia (vou começar com o bico então…). Todos me olhando… e eu desconfiado destaquei o bico da cabeça. Aproveitei uma pequena fenda perto do buraco de uma das narinas e parti um pedaço… Opa! Não é duro como eu pensava… levei até boca… todos me olhando… um “crec” emanou da minha boca seguido por vários outros “crecs”… o meu olhar de desconfiança foi se transformando em um sorriso satisfeito e surpreso! Bicho, que delícia! Impressionante!!! O bico de pato é bom pra caramba!!! (E não tem penas, kkk). Crocante, como uma batata frita (elma ships), com a crocância um pouco mais prolongada… e o mesmo toque doce.

Um cabeça brilhante e uma cabeça de pato... kkkk Dongshan - Taiwan

Um cabeça brilhante e uma cabeça de pato… kkkk Dongshan – Taiwan

Vivendo e aprendendo! Eu nunca imaginei que o bico de pato fosse comestível, e muito menos que poderia ser tão bom!! E você, sabia? Legal, não é mesmo? Não desce da garupa que tem muito mais ainda por vir! A minha visita em Taiwan já está no final, mas o meu próximo destino também promete! Aguarde as novidades!!!

 

 

Taiwan em clima de festa! Foi assim que entrei no 12° país do Projeto Da China Para Casa By Bike

Eu digo 12° país por que não estou contando Hong Kong e Macau, que oficialmente são regiões especiais administrativa da China, embora poderiam ser consideradas países. Já Taiwan, que também é conhecida como República da China, (não confundir com a China – República Popular da China), é um estado democrático com reconhecimento internacional. Por isso entra na minha lista. Isso é só uma questão de formalidade! Vamos deixar para lá!

O moderno edifício Taipei 101. Taipei - Taiwan

O moderno edifício Taipei 101. Taipei – Taiwan

Arquitetura tradicional do Teatro Nacional de Taiwan - Praça da Liberdade - Taipei - Taiwan

Arquitetura tradicional do Teatro Nacional de Taiwan – Praça da Liberdade – Taipei – Taiwan

Fachada do Teatro Nacional de Taiwan - Praça da Liberdade - Taipei - Taiwan

Fachada do Teatro Nacional de Taiwan – Praça da Liberdade – Taipei – Taiwan

O que importa mesmo é que Taipei, a capital de Taiwan, com seus 2.7 milhões de habitantes me recebeu com clima de festa. Cheguei entres a comemoração do ano novo chinês, o feriado de dois dias do 228 Memorial Day e o Sky Lantern Festival.

Assim como na China e em muitos países da Ásia, Taiwan segue o calendário chinês cuja o ano novo chegou no dia 19 de fevereiro e as comemorações se estenderam entre os dias 18 a 23. Eles entraram no ano 4713, o ano da cabra. As formalidades e o significado deste que é o maior feriado dos que seguem o calendário chinês são facilmente encontradas na internet, no entanto, tirando isso, e o que não se fala em lugar nenhum, é que é um período muito parecido com o nosso ano novo, onde o consumo é exagerado, as lojas entram em promoção, usa-se roupas novas, soltam fogos de artifícios, decoram as casas com luzes coloridas e símbolos de amor e paz, as famílias e amigos se reúnem, exageram na comida e na bebida, viajam, oferecem dinheiro e oferendas para parentes e necessitados,  e um clima de renovação e fraternidade tomam conta de todos. Antes, ao longe, me parecia bem diferente! Hoje, tendo a oportunidade de ver de perto, parece-me muito igual!

Memorial Chiang Kai-shek - Praça da liberdade - Taipei - Taiwan

Memorial Chiang Kai-shek (Líder do Partido Político Conservador -Kuomitang) – Praça da liberdade – Taipei – Taiwan

Após o fim da II Guerra Mundial, a ilha de Taiwan ganhou a independência do Japão, e  o governo nacionalista chinês, também conhecido como Kuamintang, assumiu oficialmente a ilha. Em 28 de fevereiro de 1947, mal-entendidos entre o novo governo e os moradores nativos levou a uma revolta que foi brutalmente reprimida. Um período conhecido como o Terror Branco seguiu, em que milhares de taiwaneses foram mortos ou presos. Durante anos, o período nunca foi discutido em público, e livros didáticos oficiais nem se quer o mencionava. Mas em 1995, o presidente Lee Teng-hui fez um pedido formal de desculpas pelo incidente. Desde então, foram tomadas outras medidas para curar as feridas. A Fundação 28 de Fevereiro Memorial Day foi fundada para compensar as vítimas e suas famílias e para restaurar os bons nomes daqueles que foram injustamente acusados. O dia 28 de fevereiro, foi nomeado Peace Memorial Day em homenagens as vítimas. Concertos, cerimônias, exposições de arte, dos fatos e das pessoas executadas fazem parte da comemoração desde dia tão importante para os locais. O 228 refere-se ao dia em que o massacre começou: 28/02.

Mãe e filho aproveitando o feriado ensolarado do 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei - Taiwan.

Mãe e filho aproveitando o feriado ensolarado do 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei – Taiwan.

Atividade recreativa em comemoração ao 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei - Taiwan.

Atividade recreativa em comemoração ao 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei – Taiwan.

Criança brincando com bolhas de sabão no feriado de 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei - Taiwan.

Menina brincando com bolhas de sabão no feriado de 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei – Taiwan.

Irmãos brincando com bolhas de sabão no feriado de 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei - Taiwan.

Irmãos brincando com bolhas de sabão no feriado de 228 Memorial Day na Praça da Liberdade. Taipei – Taiwan.

O Sky Lantern Festival acontece todos os anos em Pingxi, cerca de 35 km do centro de Taipei, com o lançamento de centenas de milhares de balões que dão um colorido muito especial ao céu. Originalmente, as lanternas ou balões eram lançados para avisar os refugiados que eles poderiam voltar para casa em segurança. Hoje em dia, pessoas expressam seus desejos e ambições antes de liberá-los ao céu.

Lançamento coletivo de balões que acontece a cada 20 minutos no Pingxi Sky Lantern Festival - Taiwan

Lançamento coletivo de balões que acontece a cada 20 minutos no Pingxi Sky Lantern Festival – Taiwan

Balão caracterizado com frases de desejos indo ao céu em meio a multidão.

Balão caracterizado com frases de desejos indo ao céu em meio a multidão.