E na Alemanha eu vou… de abraços em abraços!

Depois que me despedi de Ronny e sua família, meu foco mudou, e passei a pedalar forte para encontrar Eric e Marc, que pedalaram comigo na Grécia e na Turquia. Eles vivem em Colônia, e para abraçá-los, foram sete dias de pedal por ciclovias cruzando vilas, cidades, castelos, fazendas e bosques ao longo de dois dos mais importantes rios da Europa, o Danúbio e Reno.

img_0255

Marc, eu e Eric em Colônia. Alemanha.

Pedalai pelas ciclovias nacionais alemã número 6, 9, 5 e 8, que em muitos trechos seguem as ciclovias internacionais EURO VELO. Todas muito bem conservadas, sinalizadas e seguras.

img_0212

Ciclovia ao lado do Rio Reno, Alemanha.

img_0216

Cidade típica ao lado das ciclovias alemãs.

img_2568

Cidade ao lado da ciclovia. Alemanha.

img_0155

Wuszburg. Alemanha.

img_0224

Ciclovia ao lado do Rio Reno. Alemanha.

img_2570

Castelo nas montanhas ao lado do Rio Reno. Alemanha.

Foi uma semana praticamente sem sol. Muita neblina pela manhã e nuvens cinza durante todo o dia. Se essa parte foi negativa, posso dizer que em termos de hospedagem foi bem legal! Praticamente um dia sim, um dia não, consegui warmshowers… e quando não rolou, acampei. Tá cada vez pior acampar… friaca, e os dias estão cada vez mais curtos. O horário de inverno está chegando. Os relógios serão atrasados em uma hora, o que significa que terei uma hora a menos de luz para pedalar… e vou ter que amargar longos períodos dentro da barraca! Isso é chato!

img_0136

Frio e neblina nas manhãs do outono alemão.

img_0163

Café da manhã com Jean, Andreas e o filho Gabor, membros do Warmshowers em Aschafemburgo. Alemnha.

img_0211

Jantando com os membros do Warmshowers,  Sr. Wolfgang e Ana Marie em Hochst. Alemanha.

img_0140

Acampamento ao lado da ciclovia alemã. 

Em Colônia, reencontrar Eric e Marc e suas namoradas, foi bem legal! Larissa e Hanna conheci na Albânia, na festa de ano novo. Bom receber o carinho de todos! Passeamos pela cidade, fomos ver shows; Eric me levou para conhecer alguns bares e restaurantes que ele gosta, e também rolou muitas lembranças e boas risadas.

Tive oportunidade de provar vários tipos de cerveja. Tanto tradicionais, como algumas inovadoras biológicas, que ganham cada vez mais força no exigente mercado alemão. Rolou algumas surpresas gastronômicas boas durante a viagem, e ainda tive tempo para cozinhar… coisa que já estava com saudade. Rolou um risoto de abóbora com leite de coco. A abóbora veio direto da horta da família de Marc…

img_0270

Colônia. Alemaha

img_0234

Um momento de sol em Colônia. Alemanha.

img_0236

Colônia, Alemanha.

img_0182

Arrisquei no menu alemão, e acabei com um surpreendente pimentão recheado. Alemanha.

img_0207

Cerveja boa! Alemanha.

img_0209

Joelho de porco. Alemanha.

img_0275

Eric devorando uma salsicha! Colônia. Alemanha.

img_0277

Eu e a namorada de Eric, Laissa. Colônia. Alemanha.

img_0260

Eric fez um belo selfie na cozinha de usa casa. 

Eu acho que já estou acreditando naquela frase: Tudo que é bom dura pouco! Estou com essa sensação desde quando deixei a casa de Ronny. Aqui também os dias passaram voando! A boa notícia é que Eric vai me encontrar em Amsterdam, meu próximo destino.

Vamos juntos para a Holanda! Sobe na garupa e vem comigo!

Bem vindos à Alemanha.

Entre Innsbruk na Áustria e Munique na Alemanha, foram 3 dias de pedal com muita chuva. Apenas no terceiro dia, já bem perto de Munique, o sol apareceu novamente. Foi o último trecho de Jordi, que volta para Barcelona amanhã, enquanto eu, sigo minha jornada rumo norte, onde pretendo visitar bons amigos que fiz na estrada.

img_2538

Innsbruk. Áustria.

img_2548

Innsbruk, Áustria.

img_9947

Jordi eem Innsbruk, Áustria.

A ciclovia que liga essas duas cidades seguiu no mesmo padrão dos Alpes. Muito bem sinalizada, boa infraestrutura, quase sempre exclusiva para pedestres e ciclistas, e em ótimo estado de conservação. Na Áustria, a ciclovia segue ao lado do Rio Inn, afluente do Rio Danúbio, fato que garante boas fotos, mesmo com o tempo nublado. O céu nublado, a chuva, as baixas temperaturas e as folhas das árvores que colorem as trilhas com tons que vai do amarelo, passando pelo cobre e chegando ao marrom, oferecem um cenário original típico de outono. No entanto, o vale do Rio Inn é um importante centro agropecuário, com plantações e pastos ainda verdinhos.

img_0006

Ciclovia entre Innsbruk e Munique. Alemanha.

img_9969

Típica paisagem do Rio Inn. Áustria.

img_9951

Vale do Rio Inn. Áustria.

A chuva associada ao frio, é literalmente, um banho de água fria para fazer fotos. Luvas grossas, lentes molhadas e embaçadas… fica chato pra caramba! Como vai secar ou desembaçar a lente se tudo está molhado?  A chuva também enche o saco na hora de buscar um lugar para passar a noite. Não conseguimos Warmshowers e não tivemos sucesso com o Padre, que por sinal, nem se quer estendeu a mão para me cumprimentar! Super rude o lazarento! Me deixou com uma raiva desgraçada! Tudo bem! Não precisa aceitar o meu pedido, mas não me cumprimentar foi demais! Fiquei o resto do dia ruminando aquele momento. Padre du C.! Não me deu a mão e fechou a porta na minha cara! Ahhhh….. Bom deixa para lá! O jeito foi encarar a chuva e acampar…

Na primeira noite cozinhamos dentro da barraca e na segunda usamos uma casinha de caçadores de patos. O cardápio foi praticamente o mesmo, com pequenas variações. Uma deliciosa sopa com milho verde e abóbora que colhemos ao longo da ciclovia.

img_9965

Jordi e eu cozinhando em dia de chuva dentro da barraca, próximo à fronteira entre Áustria e Alemanha. Áustria.

img_9984

Acampando na Alemanha.

img_9983

Acampando na Alemanha e mostrando a língua para o Padre!

img_9981

Cozinhando na casinha de caçadores de pato para se proteger da chuva. Alemanha.

img_0002

Casinha de caçadores de pato. Alemanha.

Munique é a terceira maior cidade alemã, capital da região da Baviera, o maior dos 16 estados alemão. Nesta região, a cozinha é rústica, destacando todos os tipos de carne, em especial as carnes de caça, vitelo, pato, os diferentes tipos de salsichas e o porco, talvez a estrala maior da gastronomia da região. Os doces como o Apfelsrudel, torda de maça e creme; e o Nusschneken, uma caracol de massa folhada com diferentes sabores, também são bem interessantes, seja na sobremesa ou na hora do cafezinho com leite para esquentar do frio. No entanto, eles não são lá tão açucarados como os nossos doces brasileiros, e podem decepcionar os fanáticos por açúcar. Ahhh… as cervejas também são muito famosas por aqui. Até a semana passada estava rolando a Oktoberfest!

Com uma “crise de gota”, confesso que ainda não experimentei as carnes. Mas já rolou uns docinhos típicos.

img_3606

Apfelsrudel – torta de maça alemã.

Já entrei com a medicação e estou torcendo para melhorar o mais breve possível! Afinal, tem muita coisa para provar, não só na região da Baviera, mas em toda a Alemanha. Sobe na garupa e vamos juntos!