Bélgica de norte a sul!

Minha passagem pela Bélgica foi rápida, porém marcante! Cruzei o país de norte a sul, entrando pela Antuérpia, passando por Bruxelas e saindo por Mons, em apenas uma semana. No entanto, tive tempo de fazer novas amizades, provar alguns pratos típicos e deliciosos chocolates e degustar vários tipos de cervejas.

img_0430

Antuérpia. Bélgica.

img_0446

Antuérpia. Bélgica.

A Bélgica possui apenas 30.528 km², pouco maior que o estado de Alagoas, e por ser relativamente plano, é possível percorrer longas distâncias em um único dia. Priorizando muito mais os pontos onde consegui hospedagem via Warmshowers, do que propriamente as distâncias a percorrer, estabeleci um roteiro lógico, onde pude passar as noites bem abrigado do frio. Sempre chegando no final da tarde ou início da noite, fazendo um city tour na manhã seguinte e viajando teoricamente na parte mais quente do dia.

Essa estratégia me colocou na casas de diferentes tipos de pessoas. Com três idiomas oficiais, holandês, alemão e francês, tive a impressão que cada casa é regida conforme seu idioma. Em algumas, fui recebido com requinte, em outras com simplicidade. Mas todos me trataram super bem! Posso dizer que o Warmshowers funcionou muito bem por aqui!

img_0426

Lisette e Werner, meus anfitriões em Antuérpia. Bélgica.

img_0476

Sr. Michel e Sra. Monique, meus anfitriões em Ghlin. Bélgica.

img_0472

Minha anfitriã Audrey. Bruxelas. Bélgica.

A língua parece influenciar os pratos também! Dos sofisticados pratos franceses, como endívia gratinada, aos purês de batata, batata frita com salsicha alemãs e ou holandesas. A regra comum são as cervejas! Com mais de 1000 diferentes marcas, cada anfitrião me recebeu com a sua favorita. Todas muito mais encorpadas que a nossa! Fortes! Robustas! Biológicas! Escuras! Claras! Enfim! Tomei cerveja pra caramba!

img_0475

Audrey, Jelena, Jorge e eu na Brasserie Cantillon. Bruxelas. Bélgica. 

img_0473

Brasserie Cantillon. Bruxelas. Bélgica.

Para quem é fã de chocolates, a Bélgica é um paraíso! O país produz 170 mil toneladas por ano! Existe um estudo que afirme que o consumo de chocolate ultrapassa os 6 kg por pessoa por ano! PUDERA! São deliciosos! Ah! Dizem que o aeroporto de Bruxelas é o lugar que mais vende a iguaria no mundo! Fica a dica para os chocólatras.

img_0481

Mons. Bélgica

img_0484

Mons. Bélgica.

img_0485

Mons. Bélgica.

Passei um final de semana em Bruxelas onde conheci Audrey. Ela já morou no Brasil quando criança, fala um português perfeito e foi uma ótima anfitriã. Visitamos a cidade, bares e fomos a uma festa e a uma cervejaria com seus amigos Jelena e Jorge.

img_0461

Bruxelas. Bélgica.

img_0462

Bruxelas. Bélgica.

img_0465

Bruxelas. Bélgica.

Infelizmente peguei muito frio e chuva na Bélgica, comprometendo o número e a qualidade das imagens. Foi uma pena! As cores de outono estão mais lindas do que nunca!

img_0412

As cores do outono na Bélgica.

img_0414

Bélgica.

Minha próxima parada promete! Sobe na garupa e vamos juntos a Paris!

 

 

Anúncios

Amsterdam! Uma homenagem a ela… que fez minha cabeça!!!

Sem sombra de dúvidas, Amsterdam foi a cidade mais preparada com relação ao uso da bicicleta em que o Projeto da China para Casa by Bike visitou nesses quase 3 anos de viagem. Eu sei que isso não é novidade para ninguém! Mas também sei que poucas pessoas tiveram a oportunidade de pedalar por aqui. Eu já estive em Amsterdam como turista convencional, e confesso que minha paixão pela cidade só aumentou na companhia da minha bike. Só mesmo usando, é que se pode ter a verdadeira impressão, do tamanho e da qualidade da malha cicloviária da cidade. Embora o sol apareceu apenas uma vez nos dias em que fiquei por lá, usei bastante a bicicleta. Só quando Eric e Larissa chegaram de Colônia para curtir um feriado, é que deixei a bike descansando para perambularmos juntos entre os canais, ruelas, bares e cafés, curtindo o incrível colorido do outono e de alguma forma se infiltrando no ritmo, hora lento, hora agitado da cidade.

E como mais uma vez eu estou na correria, sem muito tempo para me dedicar ao computador, cumpro com minha responsabilidade, e trago para você, algumas fotos que fiz na cidade.

Ahh!! Esse post é em homenagem a minha bicicleta, viu!! Minha parceira, que me aguenta todos os dias, mais ou menos como em um casamento, nos últimos 3 anos. Pensou que era para quem?

img_0315

Rua em que me hospedei em Amsterdam. Holanda.

img_0318

Largas ciclovias e espaço para pedestres. Amsterdam. Holanda.

img_0319

Amsterdam. Holanda.

img_0322

Todos os tipos de bike em Amsterdam. Holanda.

img_0337

Amsterdam. Holanda.

img_0340

Amsterdam, Holanda.

img_0343

Contrastando com São Paulo e as grandes cidades brasileiras, aqui o desafio é achar um lugar para estacionar a bicicleta e não o carro. Amsterdam. Holanda.

img_0344

Amsterdam. Holanda.

img_0349

Casas flutuantes em dos canais de Amsterdam. Holanda.

img_0353

Sempre uma bicicleta no detalhe. Amsterdam. Holanda.

img_0354

Amsterdam. Holanda.

img_0363

Amsterdam. Holanda.

img_0369

Larissa, Eric, nosso anfitrião Leannaert, e eu. Amsterdam. Holanda.

img_0370

Estacionamento de bicicletas da estação de trem de Amsterdam. Holanda.

img_0374

Prédio exclusivo para estacionar bike. Amsterdam. Holanda.

img_0378

Semáforo. Amsterdam. Holanda.

E na Alemanha eu vou… de abraços em abraços!

Depois que me despedi de Ronny e sua família, meu foco mudou, e passei a pedalar forte para encontrar Eric e Marc, que pedalaram comigo na Grécia e na Turquia. Eles vivem em Colônia, e para abraçá-los, foram sete dias de pedal por ciclovias cruzando vilas, cidades, castelos, fazendas e bosques ao longo de dois dos mais importantes rios da Europa, o Danúbio e Reno.

img_0255

Marc, eu e Eric em Colônia. Alemanha.

Pedalai pelas ciclovias nacionais alemã número 6, 9, 5 e 8, que em muitos trechos seguem as ciclovias internacionais EURO VELO. Todas muito bem conservadas, sinalizadas e seguras.

img_0212

Ciclovia ao lado do Rio Reno, Alemanha.

img_0216

Cidade típica ao lado das ciclovias alemãs.

img_2568

Cidade ao lado da ciclovia. Alemanha.

img_0155

Wuszburg. Alemanha.

img_0224

Ciclovia ao lado do Rio Reno. Alemanha.

img_2570

Castelo nas montanhas ao lado do Rio Reno. Alemanha.

Foi uma semana praticamente sem sol. Muita neblina pela manhã e nuvens cinza durante todo o dia. Se essa parte foi negativa, posso dizer que em termos de hospedagem foi bem legal! Praticamente um dia sim, um dia não, consegui warmshowers… e quando não rolou, acampei. Tá cada vez pior acampar… friaca, e os dias estão cada vez mais curtos. O horário de inverno está chegando. Os relógios serão atrasados em uma hora, o que significa que terei uma hora a menos de luz para pedalar… e vou ter que amargar longos períodos dentro da barraca! Isso é chato!

img_0136

Frio e neblina nas manhãs do outono alemão.

img_0163

Café da manhã com Jean, Andreas e o filho Gabor, membros do Warmshowers em Aschafemburgo. Alemnha.

img_0211

Jantando com os membros do Warmshowers,  Sr. Wolfgang e Ana Marie em Hochst. Alemanha.

img_0140

Acampamento ao lado da ciclovia alemã. 

Em Colônia, reencontrar Eric e Marc e suas namoradas, foi bem legal! Larissa e Hanna conheci na Albânia, na festa de ano novo. Bom receber o carinho de todos! Passeamos pela cidade, fomos ver shows; Eric me levou para conhecer alguns bares e restaurantes que ele gosta, e também rolou muitas lembranças e boas risadas.

Tive oportunidade de provar vários tipos de cerveja. Tanto tradicionais, como algumas inovadoras biológicas, que ganham cada vez mais força no exigente mercado alemão. Rolou algumas surpresas gastronômicas boas durante a viagem, e ainda tive tempo para cozinhar… coisa que já estava com saudade. Rolou um risoto de abóbora com leite de coco. A abóbora veio direto da horta da família de Marc…

img_0270

Colônia. Alemaha

img_0234

Um momento de sol em Colônia. Alemanha.

img_0236

Colônia, Alemanha.

img_0182

Arrisquei no menu alemão, e acabei com um surpreendente pimentão recheado. Alemanha.

img_0207

Cerveja boa! Alemanha.

img_0209

Joelho de porco. Alemanha.

img_0275

Eric devorando uma salsicha! Colônia. Alemanha.

img_0277

Eu e a namorada de Eric, Laissa. Colônia. Alemanha.

img_0260

Eric fez um belo selfie na cozinha de usa casa. 

Eu acho que já estou acreditando naquela frase: Tudo que é bom dura pouco! Estou com essa sensação desde quando deixei a casa de Ronny. Aqui também os dias passaram voando! A boa notícia é que Eric vai me encontrar em Amsterdam, meu próximo destino.

Vamos juntos para a Holanda! Sobe na garupa e vem comigo!

É tanto carinho que nem sei se mereço!

Quando coloquei a Alemanha em meu roteiro, estabeleci uma rota priorizando visitar alguns amigos que fiz na estrada. E foi por isso que passei em Kosching! Terra dos meus amigos Ronny, Edi (General) e Daniel, que pedalaram comigo no Vietnã.

Infelizmente não conseguir dar um abraço em Daniel, mas fui super bem recepcionado pelo General e sua esposa Melitta, e por Ronny, sua esposa Heike e sua filha Lisa.

img_0041

Lisa, Heike, Eu, Melitta, Ronny e Edi. Koshing – Alemanha.

Ronny, Heike e Lisa, seguem meu blog desde que nos conhecemos. E é claro que à medida que me aproximava, trocamos mais e mais emails. Ronny é mecânico de bike nas horas vagas e se candidatou a dar uma geral na minha bicicleta. O que eu não esperava foi o “patrocínio” das peças! Cabos dos câmbios, K7, coroas, pedais, corrente, gancheira e umas coisinhas mais. Ronny deixou minha bike nova! Zerada!

img_0047

Minha bike no pedestal e nas mãos de Ronny! Koshing-Alemanha.

E não foi só isso! Eles preparam jantares, passeios, fomos a restaurantes típicos, me presentearam com roupas de inverno, com uma nova bandeira do Brasil, lanterna de cabeça, já que a minha o tempo tratou de dar um fim, um monte de guloseimas para a viagem… Rapaz! Cada hora era uma coisa! Até meu estoque de remédios eles renovaram… Bateu de novo aquele sentimento que já me referi aqui tempos atrás! Uma mistura de vergonha  e orgulho! Manja? Rola um certo constrangimento com tantos presentes e ao mesmo tempo, sei que eles estão felizes em poder ajudar!

img_0035

A bandeira do Brasil me esperando no quarto de hóspedes da família Berthold. Kosching. Alemanha.

O carinho que Ronny tem por mim é tão grande que chega a surpreender. Na parede da loja de bike onde compramos as peças, tem um quadro com uma foto minha de quando pedalamos juntos no Vietnã. Olha só que legal!

img_7376

Minha foto em uma feira de rua no Vietnã na parede da loja de bicicletas em Inglostadt. Alemanha.

Ronny é funcionário da Audi. Ele me levou para conhecer a linha de montagem de alguns modelos. O tour é fascinante! Robôs de última geração, precisão em cada detalha, logística, programação… Um Audi leva 30 horas para ser montado e a cada 83 segundos um carro fica pronto! Rapaz! Fiquei encantado! Infelizmente não é permitido fotografar ou filmar…

img_0040

Heike, Ronny (orgulhosíssimo funcionário), Lisa e eu. Fábrica da Audi. Inglostadt. Alemanha.

Edi fez questão de me visitar todos os dias na casa de Ronny. Ronny e Heike prepararam deliciosas receitas típicas! E para a nossa sorte elas estarão no próximo livro! Aguardem!!!

img_0087

Ronny e sua deliciosa receita que vai estar no livro Da China para Casa by Bike!

img_0091

Lisa saboreando o segundo prato preparado pelos Bertholds.

Ronny ainda me acompanhou por 90 km até Donauworth. Um deliciosa viagem beirando o Rio Danúbio, onde pudemos matar um pouco a saudade de pedalar juntos. Com os dias de descanso, a bike tinindo, e sem os alforjes, já que Heike e Lisa vieram jantar conosco, me senti um leão em cima da bicicleta.

img_0106

Vai Lisa! Tira logo a foto!!! O sol está nos segando.. kkk! Ronny e eu prontos para pedalar juntos depois de quase 2 anos. Kosching. Alemanha.

img_0121

Ciclovia Alemã.

img_0122

Ciclovia do Rio Danúbio. Alemanha

img_2565

Sinalização padrão das ciclovias alemãs.

img_0133

Lindo pôr do sol para coroar nossa despedida. Donauworth. Alemanha.

Foi mais uma despedida dolorida e emocionante. Daquelas que você parte querendo ficar! Assim como na despedida de Marco em Ravenna, não consegui segurar as lágrimas. Gratidão, carinho, amizade! Ronny é mais do que um amigo… é um irmão que fiz na estrada!

Muito obrigado Ronny, Heike, Lisa, Edi e Melitta! Espero vocês no Brasil… ou em algum lugar nesse mundão afora!

Bem vindos à Alemanha.

Entre Innsbruk na Áustria e Munique na Alemanha, foram 3 dias de pedal com muita chuva. Apenas no terceiro dia, já bem perto de Munique, o sol apareceu novamente. Foi o último trecho de Jordi, que volta para Barcelona amanhã, enquanto eu, sigo minha jornada rumo norte, onde pretendo visitar bons amigos que fiz na estrada.

img_2538

Innsbruk. Áustria.

img_2548

Innsbruk, Áustria.

img_9947

Jordi eem Innsbruk, Áustria.

A ciclovia que liga essas duas cidades seguiu no mesmo padrão dos Alpes. Muito bem sinalizada, boa infraestrutura, quase sempre exclusiva para pedestres e ciclistas, e em ótimo estado de conservação. Na Áustria, a ciclovia segue ao lado do Rio Inn, afluente do Rio Danúbio, fato que garante boas fotos, mesmo com o tempo nublado. O céu nublado, a chuva, as baixas temperaturas e as folhas das árvores que colorem as trilhas com tons que vai do amarelo, passando pelo cobre e chegando ao marrom, oferecem um cenário original típico de outono. No entanto, o vale do Rio Inn é um importante centro agropecuário, com plantações e pastos ainda verdinhos.

img_0006

Ciclovia entre Innsbruk e Munique. Alemanha.

img_9969

Típica paisagem do Rio Inn. Áustria.

img_9951

Vale do Rio Inn. Áustria.

A chuva associada ao frio, é literalmente, um banho de água fria para fazer fotos. Luvas grossas, lentes molhadas e embaçadas… fica chato pra caramba! Como vai secar ou desembaçar a lente se tudo está molhado?  A chuva também enche o saco na hora de buscar um lugar para passar a noite. Não conseguimos Warmshowers e não tivemos sucesso com o Padre, que por sinal, nem se quer estendeu a mão para me cumprimentar! Super rude o lazarento! Me deixou com uma raiva desgraçada! Tudo bem! Não precisa aceitar o meu pedido, mas não me cumprimentar foi demais! Fiquei o resto do dia ruminando aquele momento. Padre du C.! Não me deu a mão e fechou a porta na minha cara! Ahhhh….. Bom deixa para lá! O jeito foi encarar a chuva e acampar…

Na primeira noite cozinhamos dentro da barraca e na segunda usamos uma casinha de caçadores de patos. O cardápio foi praticamente o mesmo, com pequenas variações. Uma deliciosa sopa com milho verde e abóbora que colhemos ao longo da ciclovia.

img_9965

Jordi e eu cozinhando em dia de chuva dentro da barraca, próximo à fronteira entre Áustria e Alemanha. Áustria.

img_9984

Acampando na Alemanha.

img_9983

Acampando na Alemanha e mostrando a língua para o Padre!

img_9981

Cozinhando na casinha de caçadores de pato para se proteger da chuva. Alemanha.

img_0002

Casinha de caçadores de pato. Alemanha.

Munique é a terceira maior cidade alemã, capital da região da Baviera, o maior dos 16 estados alemão. Nesta região, a cozinha é rústica, destacando todos os tipos de carne, em especial as carnes de caça, vitelo, pato, os diferentes tipos de salsichas e o porco, talvez a estrala maior da gastronomia da região. Os doces como o Apfelsrudel, torda de maça e creme; e o Nusschneken, uma caracol de massa folhada com diferentes sabores, também são bem interessantes, seja na sobremesa ou na hora do cafezinho com leite para esquentar do frio. No entanto, eles não são lá tão açucarados como os nossos doces brasileiros, e podem decepcionar os fanáticos por açúcar. Ahhh… as cervejas também são muito famosas por aqui. Até a semana passada estava rolando a Oktoberfest!

Com uma “crise de gota”, confesso que ainda não experimentei as carnes. Mas já rolou uns docinhos típicos.

img_3606

Apfelsrudel – torta de maça alemã.

Já entrei com a medicação e estou torcendo para melhorar o mais breve possível! Afinal, tem muita coisa para provar, não só na região da Baviera, mas em toda a Alemanha. Sobe na garupa e vamos juntos!

 

A Itália de bons amigos, lugares incríveis e gastronomia de dar água na boca!

Deixamos Roma em uma manhã ensolarada com temperatura muito agradável. Jordi, que havia pedalado comigo na Nova Zelândia, veio de Barcelona para me fazer companhia por alguns dias. Como já nos conhecíamos, foi fácil “achar” o ritmo da viagem. Nas duas primeiras noites, dormimos em duas paróquias. A Primeira foi em Sutre, onde encontrei um padre brasileiro. Já há muito tempo na Itália, Padre Fernando, nos ajudou cedendo uma sala da paróquia. A segunda foi em San Lourenço Novo. Tanto em San Lourenço como em Sutre, conseguimos achar bons restaurantes com preços justos. Estas cidades estão na rota de peregrinação chamada Via Francigena. Algumas igrejas  estão preparadas para acomodar os peregrinos enquanto os restaurantes oferecem o “menu do peregrino” com preços que variam entre 6 e 15 euros. A via Francigena foi uma importante estrada que ligava a Inglaterra a Roma, usada desde então por peregrinos que desejam visitar os túmulos dos apóstolos Pedro e Paulo. A via corta vilas e paisagens incríveis!

img_2493

Paisagem da Via Francigena. Itália.

img_9297

Sutre . Itália

img_9301

Salão paroquial de Sutre. Itália.

img_9306

Via Francigena. Toscana. Itália.

img_9313

Bolsena – Itália

img_9324

Itália.

img_9328

Bem vindos a Toscana! Bar Paralelo 43. Itália.

img_9331

Via Francigena. Toscana. Itália.

Em Siena ficamos na casa do Carlinhos e da Valéria. O Carlinhos é primo do meu cunhado. Nos encontramos em Barcelona meses atrás e meio que deixamos certos minha passagem por lá. Infelizmente coincidiu com suas férias. O casal deixou tudo acertado e ficamos nas mãos carinhosa da D. Ciça, mãe da Valéria. D. Ciça nos recebeu com um sorriso daqueles que todos gostam de ganhar! Com simplicidade e a elegância de uma boa anfitriã, D. Ciça desfilou seus dotes culinários nos brindando com pratos deliciosos! Do brasileiríssimo arroz com feijão a uma belíssima pasta italiana, passando por sobremesas incríveis. Jordi, que teve o primeiro contato com a gastronomia brasileira ficou encantando com as mãos mágicas da nossa anfitriã! Tudo delicioso! D. Ciça também me presenteou com uma deliciosa receita que conecta as gastronomias brasileira e italiana. Sorvete de café! Nosso tão conhecido café com o melhor sorvete do mundo! Eu já provei! E vocês não perdem por esperar. Mais uma receita para o livro Da China para Casa by Bike!

Valéria emprestou seu carro para agilizarmos um tour pelas redondezas de Siena. Visitamos o Castelo de Monteriggioni e a lindíssima e sofisticada San Gimignano.

img_9351

Castelo de Monteriggioni. Toscana. Itália

img_9358

Castelo de Monteriggioni. Toscana. Itália.

img_9366

San Gimignano. Toscana. Itália.

img_9369

San Gimignano. Tosccana. Itália.

img_9378

San Gimignano. Toscana. Itália.

img_9384

San Gimignano. Toscana. Itália.

img_9393

Eu e a queridíssima D. Ciça. Siena. Itália.

img_9414

Piazza del Campo. Siena. Itália

img_9425

Catedral de Siena. Itália.

img_9430

Siena. Toscana. Itália.

Gostaria de deixar registrado aqui meus sinceros agradecimentos ao Carlinhos, Valéria e D. Ciça! Muitíssimo obrigado! Deixo um abraço também ao Wandré, neto da D. Ciça.

De Siena seguimos firmes para a bela Florença. Passamos a tarde na cidade. Visitamos os principais pontos turísticos e passamos a noite nos fundos de um posto de gasolina já na saída da cidade. As montanhas deste dia serviram de aquecimento para o que estava por vir.

img_9439

Siena – Florença. Toscana. Itália.

img_9440

Siena – Florença. Toscana. Itália.

img_9450

Florença. Itália

img_9515

Florença. Itália

img_9497

Florença. Itália.

img_9517

Terminando o dia com uma pizza. Florença. Itália.

Chegou a hora de cruzar os Apeninos, a mais importante cadeia montanhosa da Itália que se estende de norte a sul do país, por mais de 1000 km . Pela estrada SS 67, atravessamos o Passo del Muraglione, com 906 metros de altitude. A estrada também corta cidadezinhas charmosas, vinícolas, plantações de uva, florestas e um dos três parques nacionais da Toscana.

img_9525

Enfrentando o Apeninos em etapas. Hora de descansar. Estrada SS 67. Florença – Ravenna. Itália.

img_9526

Estrada SS 67. Próximo ao passo Del Muraglione. Apeninos, Toscana. Itália.

img_9532

Esse tonel entro no meu caminho… Itália.

Depois de escalar, veio um delicioso descidão que nos levou para a região de Emília-Romanha, mais precisamente em Ravenna, onde estou agora. Escolhi vir a Ravenna para encontrar Marco e alguns amigos que fiz na estrada. Para minha surpresa Matteo veio de Reggio Emilia, onde mora, para passar uns dias com a gente. De quebra, também revi Colin, que acabara de voltar de Honduras. Pedalei com eles na Austrália.

A identificação com Marco e seu parceiro Gio, que ainda está na estrada, foi imediata. Parecia chegar na casa de um velho amigo! Me senti super à vontade com toda sua família. A mãe de Marco, D. Lea, é uma fofa! Sorriso terno, gostoso, falando alto e gesticulando! Uma típica mama italiana. Daquelas donas de casa que não param um segundo. D. Lea esbanjou categoria na cozinha. Como se come na Itália, não! Além de pratos típicos, é uma fartura de queijos, presuntos e tudo quanto é tipo de frios! Perdição! O pai é mais tranquilão! Nas horas vagas é caçador de trufas. E o irmão Gian Luca é um bonachão! Cara legal, sempre sorridente e bem engraçado!

Foram dias super agradáveis com meus amigos. Teve uma baladinha de leve, praia, churrasquinho nas montanhas, e ótimos bate papos. Compartilhamos lembranças e nos divertimos com conversas e mais momentos que serão lembrados no futuro.

img_9538

Eu, Marco, Matteo e Jordi. Só cicloturistas! Ravenna. Itália

img_9547

Churrasquinho em Premilcoure. Toscana . Itália.

Além dos jantares em família na casa de Marco, fomos convidados pelos pais de Gio para um jantar. Ali, tive a certeza que a amizade que fiz com Marco e Gio será para sempre. Mais delícias gastronômicas italianas e ótimo papo! E é claro! Todo o carinho dos anfitriões. Saio de Ravenna com a certeza que verei todos novamente. Espero um dia poder retribuir um pouco do carinho que recebi aqui!

img_9568

Gian Luca (irmão de Marco), Matto, Jordi, Marco, D. Rita (mãe de Gio), Giulia (irmã de Matteo), Eu, Sr. Giordano (pai de Gio) e Valentina (irmã de Gio). Ravenna. Itália.

A mama de Marco e a mama de Gio.

img_9570

Exato lugar onde Marco e Gio iniciaram a Volta ao Mundo. Ravenna. Itália.

Daqui, sigo para Veneza, ainda com Jordi. Convido você para subir na garupa e vir com a gente! Aliás, clica o bontãozinho “seguir” lá em cima, do lado direito do blog. Além de saber das novidades em primeira mão, você ainda me dá uma forcinha aumentando o número de seguidores! Valeu e até Veneza!